Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

Rio Maina

História

Os italianos, com seus espíritos aventureiros, viam no Brasil uma espécie de Terra Prometida. Esses tinham o sonho e o desejo muito grande de continuarem sendo pequenos produtores rurais, condições que não conseguiam mais manter na Itália, pois por volta de 1880 se abateu por toda a Europa uma crise agrícola.

O Brasil, com a promulgação da Lei Áurea em 1888, acabando com a escravidão, precisava de mão-de-obra para trabalhar nas plantações de café. A Itália estava em crise, e viu a emigração como uma forma de resolver problemas internos. Assim, os dois governos fizeram um acordo, onde o governo brasileiro cedia a terra para os imigrantes trabalharem e o italiano pagava as passagens de navio.

Quem emigrava para o Brasil em busca de uma vida melhor, quase sempre era muito pobre. Eram famílias de camponeses, pequenos comerciantes, operários e artesãos.

Ao chegarem em terras brasileiras, os italianos encontraram aqui muitas dificuldades e muito trabalho. Alguns passaram fome e frio, apesar de terem ganho seus pedaços de terra, pois muitos chegaram sem nenhum dinheiro e perderam seus pertences durante a viagem. Em Nova Veneza, o agrimensor Miguel Nápoli representando a Companhia Metropolitana, fazia distribuição de lotes aos imigrantes. E assim, tinham que começar a construir suas vidas neste país tão sonhado como a Terra Prometida.

Os primeiros imigrantes italianos, chegaram a Rio Maina (Criciúma - SC) no dia 16 de novembro de 1890. Sete famílias embarcaram no Porto de Genova, norte da Itália, em direção ao Brasil.

As famílias Colombo, Tinelli, Macarini, Pirola, Pelozzato, Rabezzana e Ronchi, atravessaram o Atlântico aportando no porto de Imbituba, Santa Catarina.

Atraídos por intensa campanha de recrutamento feita pelo Brasil no exterior com o objetivo de povoar as terras abundantes que por aqui havia, e deixando para trás a fome, a falta de oportunidade para o plantio, o desemprego, a guerra e o domínio estrangeiro na Itália, estavam eles em solo brasileiro. Em busca de um sonho, no qual o Brasil oferecia condições ao governo italiano na ocupação de vasta área ainda de mata nativa, no sul do País.

Este acordo previa ao imigrante o recebimento das terras por herança e ferramentas a preço de baixo custo, tal decisão mais a coragem do imigrante italiano, determinou a busca pela oportunidade de sua vinda para a América.

A partir daí, lançou-se o imigrante as dificuldades de um novo mundo, mas a certeza em seus corações dava-lhes a coragem de ir em frente mergulhando no sonho e na realização de seus ideais.

Estando já Nova Veneza habitada por famílias que ali já haviam chegado antes, decidem ocupar as terras que ficavam ao meio do caminho, entre Beluno e Nova Veneza, a partir daí então, Ângelo Colombo, Luigi Tinelli, Ambrósio Macarini, Josepe Pirola, Redente Pelozzato, Piero Rabezzana e Stefano Ronchi, aceitam a proposta em 15 de novembro de 1890 de começarem a distinção do lugar, que no linguajar do imigrante dizia "An'den lá em Rio Manhá", originário do Bergamasco, se propôs desbravar a região, e que na tradução pra o brasileiríssimo significava: “Vamos ao Rio Maina”.

No ano seguinte, chegam à localidade o segundo grupo de imigrantes com as seguintes famílias: Uggioni, Bonfante, Manenti, Margutti, Mariani, Alamini, Contti, Paganini, Pizzoni, Meller, Dário, Biléssimo, Zanetti, Simom, Milanezzi, Biava, Dal Farra, Ambrósio, Biff, Rosso, Martinhago, Pierini, Comim, Salvaro, Borgnaghi, Juliani, Venturini e De Lucca.

Cultivaram agricultura onde se tornou o Núcleo central de colonização. Mais tarde seus descendentes dedicaram-se a extração de carvão mineral. A localidade de Rio Maina aos poucos foi desenvolvendo e recebendo mais famílias de imigrantes.

As terras recebidas pelas duas famílias estavam localizadas onde é hoje o Rio Maina, que fundado em 1890, foi a categoria de Distrito em 10 de abril de 1959 e atualmente é composto por aproximadamente 67 bairros (entre vilas e loteamentos), além de possuir mais de 60 mil habitantes.

Mineração era a opção de trabalho

Os primeiros homens a trabalhar com mineração foram os irmãos Carlos e Giovani filhos de Luigi Colombo. Carlos fundou a carbonífera União Operária, uma mina de embocação que posteriormente foi adquirida pela Metropolitana. Já o irmão Giovani, fundou e trabalhou em uma mina de céu aberto, conhecida como Minas do Dia, onde o trabalho consistia em derrubar barreiras, descobrir o carvão, retirar com a pá e picareta e entregar para a Companhia Metropolitana, empresa que também era proprietária dessas Minas do Dia.

Origem do nome Rio Maina

O nome Rio Maina foi dado pelos próprios aventureiros italianos. A história contada de geração em geração diz que, ao chegarem à localidade, receberam farinha de mandioca para comer e estes acharam que era queijo ralado. Ao comer, não gostaram da farinha e jogaram no rio dizendo: “RIO QUE LA MANHA”, que no dialeto, “manhar” significa “comer”. Assim, desde 1890, o local ficou conhecido como Rio Maina, uma versão em português do termo “RIO QUE LA MANHA”.

Rio Maina Hoje

Rio Maina - Hoje Distrito de Rio Maina

 

____________________________________________________________________________

 

CÍRCULO BERGAMASCO

Círcolo Bergamasco Fundado em 20 de Junho de 2010

Objetivo principal

Circulo Bergamasco é uma entidade sem fins lucrativos que tem como objetivo divulgar a cultura e tradição dos antepassados.

Os encontros do grupo acontecem todo último domingo do mês na casa de uma família, sempre diferenciando.

Veja as fotos de alguns encontros

Círcolo Bergamasco

Círcolo Bergamasco
Círcolo Bergamasco
Círcolo Bergamasco

____________________________________________________________________________

FESTA DELL' IMMIGRAZIONE

Resgatando a história de nossa Colonização

Festa Dell' Immigrazione

Histórico da Festa Dell Immigrazione: A Festa Dell Immigrazione foi criada objetivando resgatar a história e cultura italiana no distrito de Rio Maina. Num pensamento mais amplo, a festa foi idealizada porque a cidade de Criciúma tem na etnia italiana sua maior contribuição.

A Festa Dell Immigrazione teve sua primeira edição realizada nos dias 14 e 15 de novembro de 2005, quando o distrito de Rio Maina comemorou 115 anos de colonização italiana e teve a participação de mais de trinta famílias do distrito de Rio Maina.

O evento conta com torneio de futebol de máster, apresentações artísticas, jantar típico, café colonial, shows com artistas locais, show pirotécnico, missa cantada em italiano e culmina com o grande desfile das famílias colonizadoras, onde na avenida principal de 1,5 quilômetros (Avenida do Imigrantes), as famílias descendentes de italianos desfilam com seus carros de boi, carroças, objetos e ferramentas antigas, tocando e cantando as cantigas dos antepassados.

Objetivos da Festa Dell Immigrazione

Resgatar a história e a cultura italiana. Procura-se reviver e relembrar como os primeiros imigrantes chegaram à cidade de Criciúma, vindos de Nova Veneza, iniciaram a colonização. Busca, ainda, mostrar todos os costumes, tradições e crenças dos descendentes italianos, fazendo com que a geração presente não deixem perder os ensinamentos que vem passando de geração em geração.

Fotos da Festa

Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione
Festa Dell Immigrazione