Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
domingo, 04 de dezembro de 2016

Claudeir Policarpi

O dia em que o mundo chorou pelas mortes dos guerreiros da Chape, da imprensa e amigos

Este sábado, cinzento, chuvoso, foi um dia muito triste, aliás, desde que aconteceu essa tragédia com a Chapecoense.

A cidade de Chapecó chorou, Santa Catarina chorou, o Brasil chorou, o mundo inteiro chorou, até São Pedro!

Estamos mais reflexivos, pensativos e nos questionando sobre vários comportamentos que temos com relação ao amor ao ser humano. Confesso que às vezes penso que a solidariedade ao próximo já tivesse acabado, mas hoje percebi certa esperança na humanidade.

A partir de hoje, eu pelo menos, pretendo ser uma pessoa melhor, olhar a vida da forma em que pensarei que todos os dias, será como se fosse o último, assim vou dar o meu melhor, não só com familiares e amigos, mas na convivência geral.

Aprendi que não somos absolutamente nada e que somos todos iguais.

Não podemos nos esquecer das outras pessoas que também foram vitimadas, como os nossos colegas jornalistas por exemplo, responsáveis por trazer até nós todos os fatos da grande conquista do Verdão do Oeste.

Que Deus conforte a cada familiar das vítimas deste horror interminável. Dele, tiramos a lição de que o amor é o sentimento mais apropriado para demonstramos que ainda há esperança.

Viva a Chapecoense, viva o Futebol, viva o Amor ao próximo!